Raio: Desligado
Raio:
km Set radius for geolocation
Procurar

Produtos da Terra

A noção de “produtos da Terra” refere-se às produções que o homem realiza através do trabalho direto na terra, utilizando fatores de produção, técnicas e os instrumentos associados ao trabalho no terreno, procurando introduzir melhorias que conduzam à obtenção de níveis produtivos cada vez mais elevados. Para o efeito, haverá que adequar às condições de solo e de clima, as diferentes culturas que sejam as que se revelem mais adequadas, tendo em conta as condições existentes nas Terras Altas do Norte.
Deve referir-se que as condições edafoclimáticas existentes na região do Alto Tâmega fornecem excelentes perspetivas para a produção de produtos hortícolas de qualidade acima da média, principalmente nos vales de Chaves e de Vila Pouca Aguiar, que se apresentam com boas cotações no mercado, sinal de que este as considera e valoriza.
Não deve também deixar de se considerar que a diversidade morfológica do Alto Tâmega, onde coexistem zonas de vale, de planalto e de montanha, complementada com a variedade climática, permite a existência de um coberto vegetal variado com grande número de cultivares, o que, naturalmente, conduz a uma diversidade grande de produção frutícola que vai desde as culturas mediterrânicas, como a vinha e o olival até às culturas caraterísticas de regiões mais frias, como é o caso da castanha e outras, passando pelas culturas mais típicas das regiões temperadas.

Amêndoa

Amêndoa de ValpaçosVariedades Mais Frequentes no Alto Tâmega
Parada, Casanova, Verdeal

Zona de Produção
Concelho de Valpaços

Caraterísticas do Produto
A amêndoa, cuja zona de produção mais expressiva se situa no concelho de Valpaços, é um fruto seco com um sabor caraterístico suave e pouco oleoso, possuindo excelentes caraterísticas nutricionais, pelo que se tem assistido a um aumento do seu consumo. São ricas em vitaminas e minerais, como o zinco, o magnésio e o ferro e possuem uma boa dose de proteínas.
Possui várias utilizações culinárias, podendo ser moída, lascada, cortada ou inteira, com ou sem pele, torradas ou não, entrando como ingrediente nobre em várias receitas doces ou salgadas, combinando, de forma excelente, com chocolate.

Canais de Distribuição
A amêndoa é, normalmente, comercializada através de cooperativas e agrupamentos de produtores, onde são entregues as produções, principalmente as de mais pequena dimensão. Intervêm, também, neste processo os ajuntadores que funcionam como intermediários junto de industriais de pastelaria e confeitaria, embora nos últimos anos tenham vindo a perder peso, em detrimento das cooperativas e associações. Alguns pequenos produtores da região comercializam-na junto de retalhistas ou vendem
este fruto diretamente ao público.

 

Entidades de Contacto

Cooperativa Agrícola de Valpaços

Rua Marechal Carmona
5430-480 Valpaços
Tel.: +351 278 711 250
E-mail: coopacos@gmail.com

 

Batata de Consumo

Batata de Chaves Vila Pouca de Aguiar e MontalegreVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Atlantic, Desiree, Kennebec, Jaerla

Zona de Produção
Chaves
Vila Pouca de Aguiar
Montalegre

Período de produção/comercialização
Junho a Outubro

Caraterísticas do produto
A batata é cultivada nos vários concelhos da região, mas com destaque de nível nacional o concelho de Chaves.
A batata de Chaves apresenta-se ao corte com um aspeto húmido de tom branco a branco amarelado, sem espaços ocos, qualquer oquidão e como consequência das condições edafoclimáticas existentes tem um sabor agradável, ligeiramente adocicado e um aroma igualmente agradável, com cheiro a terra.
A batata é, hoje em dia, um produto básico para a alimentação humana, podendo ser cozinhada das formas mais variadas e combinando muito favoravelmente com um número alargado de ingredientes, sendo, por isso, muito procurada. e, Pode dizer-se que é indispensável à mesa, já que pode ser consumida cozida, frita, assada ou em puré em diversos acompanhamentos.

Canais de Distribuição
Verifica-se, no Alto Tâmega, a ausência de organização ao nível da comercialização da produção, o que provoca grandes oscilações nos preços de mercado, tornando os produtores fortemente  dependentes dos intermediários que apenas realizam as suas compras quando os preços lhes são favoráveis.

 

Entidades de Contacto

Cooperativa Agrícola Norte Transmontano

Av. General Ribeiro de Carvalho
5400-467 Chaves
Tel.: +351 276 322 369
E-mail: cant@net.sapo.pt

CAPOLIB – Cooperativa Agrícola de Boticas
Av. do Eiró, nº 19
5460-320 Boticas
Tel.: +351 276 418 170
E-mail: geral@capolib.pt

Cabaça

Cabaça de ChavesVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Jerimú, Abóbora

Zona de Produção
Concelho de Chaves

Período de produção/comercialização
Agosto/Setembro/Outubro

Caraterísticas do produto
Pertencente, tal como o melão, à família das cucurbitáceas, a abóbora é uma produção agrícola com relevância na região, não só pelas condições edafoclimáticas para a sua produção, como também pelas suas múltiplas utilizações. Com efeito, a abóbora apresenta uma grande versatilidade culinária, quer para a elaboração de sopas, quer no acompanhamento de pratos principais, sob a forma de puré ou outra, quer para a elaboração de compotas, quer como ingrediente na elaboração de certos tipos de
fumeiro. O jerimú, com o qual se elaboram filhós deliciosas, muito presentes nas mesas de Natal do Alto Tâmega, é utilizado, tal como a abóbora na “ceva” (engorda) de porcos, sendo um dos responsáveis pelo sabor das carnes, com os naturais reflexos nos produtos fumados que aqui são produzidos.

Canais de Distribuição
Os produtores do Alto Tâmega, sobretudo nos concelhos de Chaves, na sua maioria de pequena dimensão, colocam as suas produções diretamente nas feiras e mercados que regularmente têm lugar por todo o Alto Tâmega, vendendo diretamente aos seus clientes.

Castanha

Castanha de Carrazedo de Montenegro e Valpaços Variedades mais frequentes no Alto Tâmega
Judia, Longal, Lada, Martaínha

Zona de Produção
Carrazedo de Montenegro
Zonas de montanha dos concelhos de Valpaços,
Chaves, Vila Pouca de Aguiar e Montalegre

Período de produção/comercialização
Outubro/Novembro

Caraterísticas do produto
A castanha, produzida nas áreas de montanha dos concelhos de Valpaços (zona de Carrazedo
de Montenegro), Chaves, Vila Pouca de Aguiar e Montalegre, é um fruto seco com um sabor caraterístico sui-generis. Rico em fibras e hidratos de carbono, contendo pouca quantidade de gorduras e proteínas, sendo os seus açúcares de digestão lenta, prolongando a sensação de saciedade, sendo ricas em vitamina E e B6, apresentando boa aptidão para o descasque.
Possui várias utilizações culinárias, podendo ser apresentada em cru, congelada, pilada, confitada ou em calda, entrando como ingrediente nobre em várias receitas doces ou salgadas, podendo ser consumida em cru, cozida ou assada.

Canais de Distribuição
A castanha da Padrela é, normalmente, adquirida por cooperativas e associações de produtores que a comercializam para o país e estrangeiro que consome boa parte da produção. Têm também um papel importante os ajuntadores que, na vila de Carrazedo de Montenegro, assumem uma boa parte da comercialização da produção.

 

Entidades de Contacto

Cooperativa Agrícola de Valpaços

Rua Marechal Carmona
5430-480 Valpaços
Tel.: +351 278 711 250
E-mail: coopacos@gmail.com

ARATM – associação Regional dos Agricultores das Terras de Montenegro
Rua do Parque, nº 1
5445-110 Carrazedo De Montenegro
Tel.: +351 278 781 370
E-mail – aratmontenegro@net.novis.pt

Cebola

Cebola de Vila Pouca de AguiarVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Espanhola, Amarela e Rosi de Roscoff

Zona de Produção
Concelhos de Vila Pouca de Aguiar e Chaves

Período de produção/comercialização
Setembro

Caraterísticas do produto
A cebola, produzida sobretudo nos concelhos de Vila Pouca de Aguiar e Chaves, é uma planta da família das liliáeas que se cultiva por causa dos seus bolbos comestíveis, sendo muito apreciada, não só crua em saladas, mas entrando na confeção de grande número de pratos, sendo cultivada, maioritariamente, em regime intensivo ao ar livre. É um alimento com escasso poder calórico, pois o seu conteúdo de água é de cerca de 90%, sendo portadora de uma quantidade apreciável de fibra, sendo uma boa fonte de potássio, cálcio, ferro, magnésio e ferro que a tornam um excelente alimento regulador do organismo, possuindo uma quantidade abundante de antioxidantes.
É muito utilizada crua, sendo um ingrediente básico de muitas saladas, podendo ser também, consumida cozida, frita e assada, entrando na composição de elevado número de pratos, aos quais confere o seu sabor caraterístico.

Canais de Distribuição
Os produtores, na sua maioria de pequena dimensão, colocam as suas produções no mercado, principalmente nas feiras que se realizam por toda a região, ainda que se verifique a intervenção de ajuntadores que fazem a intermediação com retalhistas.

 

Entidades de Contacto

Município de Vila Pouca de Aguiar

Rua Comendador Silva
5450-020 Vila Pouca de Aguiar
Tel.: +351 259 419 100
E-mail: geral@cm-vpaguiar.pt

Cogumelos Silvestres

Cogumelos Silvestres AguiarFlorestaVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Níscaro, Roca, Tortulho, Sancha, Boletos
(designações locais de algumas das espécies mais procuradas)

Zona de Produção
Alto Tâmega

Período de produção/comercialização
Março/Abril/Outubro/Novembro

Caraterísticas do produto
Sendo o Alto Tâmega uma zona florestal de excelência, podem aqui encontrar-se diversas espécies de fungos silvestres com grande procura por parte dos seus apreciadores, principalmente em povoamentos de pinheiros, castanheiros e carvalhos. Apesar do cuidado que deve haver na sua recolha são inúmeros os recolectores de cogumelos silvestres, pelo que se recomenda que a sua recolha deve ser realizada com o acompanhamento de um perito, aconselhando-se a leitura do Guia de Cogumelos do Alto Tâmega, publicação editada pela ADRAT, com conselhos práticos sobre esta atividade.
As espécies referidas são de grande interesse para os gastrónomos que as confecionam grelhadas, estufadas ou salteadas, sendo consideradas uma valiosa iguaria pelos seus apreciadores.

Canais de Distribuição
A maior parte dos recolectores de cogumelos utiliza-os para autoconsumo, ainda que alguns deles os comercializem diretamente junto os interessados e também exportadores. Nos últimos anos tem-se assistido no Alto Tâmega ao aumento do interesse de algumas associações pela preservação e valorização de um importante recurso que pode contribuir de forma significativa para o aumento dos rendimentos das populações locais.

Entidades de Contacto

Aguiarfloresta

Centro de Camionagem – Loja 4
5450-020 Vila Pouca de Aguiar
Tel.: +351 259 417 634
E-mail: geral@aguiarfloresta.org

Couve

Couve Penca de ChavesVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Couve Penca de Chaves

Zona de Produção
Alto Tâmega

Período de produção/comercialização
Agosto/Setembro

Período de produção/comercialização
Novembro – Abril

Caraterísticas do produto
A couve penca de Chaves apresenta folhas largas com bastantes nervuras brancas e talos carnudos,
sendo rica em cálcio, ferro, magnésio, potássio, vitamina C, contendo uma quantidade importante de aminoácidos, caraterizando-se pelo seu rico sabor que é muito apreciado pelos consumidores.
A couve penca é muito utilizada na confeção de sopas, às quais confere o seu sabor inconfundível, não faltando, também, nas mesas da ceia Natal das populações do Alto Tâmega, acompanhando o bacalhau e o polvo cozidos. É, também, presença fixa como ingrediente importante no cozido à transmontana.

Canais de Distribuição
A maior parte dos produtores de couve penca são pequenos produtores que as vendem diretamente no mercado ou a pequenos retalhistas que a comercializam junto do grande público.

Frutos Vermelhos

Frutos Vermelhos Alto TâmegaVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Framboesa, Mirtilo, Amora, Groselha

Zona de Produção
Alto Tâmega

Período de produção/comercialização
Junho/Julho/Agosto/Setembro

Caraterísticas do produto
Os frutos vermelhos viram, nos últimos anos crescer o seu consumo por parte dos consumidores, dados os seus excelentes benefícios para a saúde, pois além do seu elevado poder nutritivo, possuem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes para o organismo, permitindo a obtenção de bons rendimentos para os produtores.
Estes frutos são utilizados essencialmente para serem consumidos em cru ou como recheio de produtos de pastelaria e confeitaria, ligando muito bem com iogurtes, sendo também muito utilizados na indústria da gelataria, que tem vindo a aumentar o seu peso, nos últimos anos, principalmente a confeção e comercialização de gelados artesanais.

Canais de Distribuição
Os produtores do Alto Tâmega, na sua maioria de pequena dimensão, colocam as suas produções em empresas especializadas na comercialização deste produto que o colocam, maioritariamente, nos mercados estrangeiros dos países do centro da Europa.

Melão

Melão Carrasco do Alto TâmegaVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Carrasco

Zona de Produção
Concelhos de Chaves, Valpaços

Período de produção/comercialização
Julho/Agosto/Setembro

Caraterísticas do produto
O melão carrasco é uma variedade de melão que, há algumas décadas, se cultivou abundantemente na veiga de Chaves, de Vidago (concelho de Chaves) e na veiga de Rio Torto, (concelho de Valpaços) que desapareceu, de forma repentina, dado que a planta foi atingida por uma praga que a dizimou. Nos últimos anos, investigações conduzidas pela UTAD permitiram a instalação de campos de ensaio que têm produzido bons resultados.
O melão carrasco possui uma casca verde acinzentada, com um intenso rendilhado que é uma das suas principais caraterísticas externas. Possui uma polpa de cor salmão e apresenta um sabor pouco doce, delicado e levemente apimentado que faz as delícias dos seus apreciadores, sendo consumido em cru.

Canais de Distribuição
Atualmente, as produções de melão carrasco são ainda reduzidas, situando-se os principais campos de ensaio em Rio Torto (Valpaços), onde poderão ser adquiridos, começando a ser encontrados, na
época própria, em feiras e eventos de promoção de produtos locais que são organizados por todo o Alto Tâmega.

 

Entidades de Contacto

Junta de Freguesia de Rio Torto

5430-201 Rio Torto
Tel.: +351 278 729 789

Pimento de Cambedo

Pimento de CambedoVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Variedade regional Pimento do Cambedo

Zona de Produção
Concelho de Chaves

Período de produção/comercialização
Agosto/Setembro

Caraterísticas do produto
A variedade regional de pimento do Cambedo, no concelho de Chaves, apresenta uma forma regular, alargada e sem nervuras, com um comprimento entre dez e dezoito centímetros. A sua pele é lisa e brilhante, de cor verde clara,  com tonalidades amareladas para consumo em fresco, apresentando os frutos maduros uma cor vermelha intensa que tem excelentes caraterísticas para serem transformados em conservas. O seu sabor é doce, com ausência de picante, apresentando um aroma de intensidade
média.
É utilizado em cru, para a confeção saladas, podendo ser também, consumido frito e assado e na confeção de caldeiradas e arrozes, aos quais confere o seu sabor caraterístico e muito apreciado pelos gastrónomos. A sua conservação em vinagre é muito apreciada, dada a sua polpa carnuda, sendo frequente a sua presença na mesa das populações locais e, mesmo, em elevado número de restaurantes.

Canais de Distribuição
Os produtores, na sua maioria de pequena dimensão, colocam as suas produções diretamente no mercado, principalmente nas feiras que se realizam por toda a região, colocando-os, também, junto de retalhistas da região.

 

Entidades de Contacto

Junta de freguesia de Vilarelho da Raia

Rua dos Arcos
5400-813 Vilarelho da Raia
Tel.: +351 276 915 281

Plantas Aromáticas, Condimentares e Medicinais

Plantas Aromáticas condimentares e medicinais de Vilar de PerdizesVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Alecrim, coentro, rosmaninho, salsa, urze, segurelha, orégão, hortelã, tomilho, carqueja, salva, urtiga

Zona de Produção
Alto Tâmega

Período de produção/comercialização
Todo o ano, conforme a espécie

Caraterísticas do produto
As plantas aromáticas, condimentares e medicinais têm um uso alargado em toda a região, principalmente nos meios rurais, verificando-se atualmente uma utilização mais intensiva das plantas medicinais, devido à crescente relutância na utilização de produtos químico-farmacêuticos preparando as populações rurais as suas próprias “mezinhas”.
Na maior parte dos casos crescem espontaneamente no meio natural, havendo várias se são  exclusivamente cultivadas em jardins ou nas extremidades das terras agrícolas, como plantas ornamentais. São recolhidas, preparadas e embaladas visando a sua comercialização, fornecendo, nalguns casos, um importante aporte económico à economia familiar. As plantas aromáticas, para
utilização culinária, são plantadas em pequenos hortos, sendo posteriormente comercializadas diretamente em feiras e mercados e colocadas em lojas especializadas.

Canais de Distribuição
Os produtores do Alto Tâmega, na sua maioria de pequena dimensão, colocam as suas produções diretamente nas feiras e mercados, sendo também comercializadas em ervanárias e lojas especializadas, tendo em vista sua comercialização.

 

Entidades de Contacto

Junta de Freguesia de Vilar de Perdizes

Av. da Igreja, nº2
5470-461 Vilar de Perdizes
Tel.: +351 968 548 349

Tomate

Tomate Coração de BoiVariedades mais frequentes no Alto Tâmega
Coração de Boi

Zona de Produção
Concelhos de Chaves e Valpaços

Período de produção/comercialização
Junho/Setembro

Caraterísticas do produto
O tomate coração de boi é um tomate de frutos grandes, vermelhos, muito tenros, lisos e carnudos, possuindo um paladar muito saboroso que resiste muito bem ao transporte, tendo como principal óbice o facto de não resistir muito bem às geadas, pelo que no Alto Tâmega é aconselhável plantá-lo somente a partir de meados de Abril.
Dadas as suas caraterísticas físicas pode considerar-se como uma das melhores espécies para comer em cru, adaptando-se, também, muito bem para ser recheado, pois possui uma excelente textura para esse efeito.

Canais de Distribuição
Os produtores do Alto Tâmega, na sua maioria de pequena dimensão, sendo a produção vendida diretamente em feiras e mercados e colocados em retalhistas nos principais núcleos populacionais.